terça-feira, 28 maio, 2024
terça-feira, 28 maio, 2024

Neuropsicóloga orienta como cuidar da mente e do corpo

Em

Traumas causados por perdas ou trágicos acontecimentos não são fáceis de serem superados, mas passar por situações como essas exigem  força, resiliência e determinação para não deixar que o luto perdure para além do necessário.

Esconder os sentimentos que foram sendo criados  enquanto o marido adoecia e necessitava de cuidados fez com que a psicóloga e psicanalista Leninha Espírito Santo Wagner desenvolvesse sua própria enfermidade.

“A mente tende a realizar realisticamente o que edificamos subjetivamente no inconsciente. Acabei de enterrar meu marido, depois de seis longos anos de doação total aos cuidados dele. Talvez, secretamente, eu tivesse medo de perder a saúde, e a perdi”, relatou a profissional que recentemente foi diagnosticada com um câncer.

Especialista Leninha Espírito Santo Wagner

“Enterrei meu marido dia 19 de dezembro e 10 dias depois esse diagnóstico, agora, identificando o que me causava medo, cabe à mim neutralizá-lo com ações positivas”, comentou.

“Neutralizar” o medo faz parte da técnica utilizada por ela para ajudar pacientes que estão na mesma situação a lidarem com as emoções.

“O luto, seja de morte concreta ou subjetiva, tem um tempo singular e atravessa as cinco fases: Negação; Raiva; Negociação; Depressão e Aceitação. A perda de algum objeto amado traz, ainda que momentânea, a fragmentação e desestruturação do sujeito. O luto é um processo de reconstrução e reorganização diante de uma perda, desafio psíquico com o qual o sujeito tem de lidar”, salientou.

Segundo Leninha, para esquecer é preciso lembrar. Neste processo, também é importante contar com a ajuda de amigos e familiares.

“Tenha alguém para uma boa escuta, para que se possa esvaziar e deixar escorrer essa dor através de palavras ou lágrimas. Até sentir que pode ter novamente espaço nos pulmões para retornar a respirar vida”, orienta. “Os amigos e familiares precisam respeitar o tempo de cada um, sem negativar a expressão legítima de quem fica mais à flor da pele”, finaliza.

Compartilhar
Tags

Mais lidas

Recentes

Veja Mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.