segunda-feira, 22 julho, 2024
segunda-feira, 22 julho, 2024

Os 6 Ds da endometriose: saiba identificar as principais dores e dificuldades da condição

Em

A endometriose é uma condição de saúde que afeta milhões de mulheres em todo o mundo, com sintomas que podem ser debilitantes e impactar significativamente a qualidade de vida. Saber identificar alguns dos sinais mais recorrentes é fundamental para garantir um diagnóstico correto o mais cedo possível e traçar o tratamento adequado. 

“Ao reconhecer os sintomas comuns da endometriose, a mulher pode buscar ajuda médica apropriada e, assim, iniciar um tratamento personalizado. O plano de ação pode incluir medicamentos, terapias hormonais, fisioterapia e, em alguns casos, intervenções cirúrgicas”, afirma o Dr. Patrick Bellelis, especialista em endometriose e colaborador do Hospital das Clínicas da Universidade de São Paulo.

Caracterizada pelo crescimento anormal do revestimento uterino na parte externa do órgão, a endometriose costuma ser subdiagnosticada ou diagnosticada tardiamente. Por isso, acaba levando ao seu agravamento e a outras complicações evitáveis. Estes sintomas são, em sua maioria, dores crônicas específicas, já que a presença desse tecido fora do útero acaba levando a inflamação, irritação, sangramento e formação de aderências ao redor de outros órgãos. 

Você saberia identificar essas dores? A seguir, o Dr. Patrick elenca as principais para ajudar mulheres a reconhecê-las; são os chamados 6 Ds da endometriose. Confira:

Dor menstrual intensa

O termo usado é dismenorreia e se refere a fortes dores durante a menstruação. Enquanto algumas cólicas menstruais são normais, a dismenorreia intensa está comumente associada à endometriose e é descrita como extremamente debilitante, interferindo nas atividades cotidianas. Ela pode começar antes do período menstrual e continuar por dias após o sangramento. Seu tratamento, muitas vezes, requer abordagens multidisciplinares.

Dor pélvica crônica

É a dor persistente que pode ocorrer na pelve e nas áreas do corpo associadas, como abdômen, costas ou pernas. Mulheres com endometriose podem experimentar desconforto crônico intermitente ou contínuo, que varia em intensidade, chegando a afetar negativamente a qualidade de vida. A dor crônica associada à doença é desafiadora de tratar e requer uma abordagem mais ampla, incluindo medicamentos, terapias físicas e intervenções cirúrgicas, dependendo das necessidades individuais.

Dor nas relações sexuais

Dor durante a atividade sexual não é normal; também é possível que esteja relacionada à endometriose. Ela pode surgir durante a penetração, causando desde sensações de ardor e pressão até uma dor que impossibilita a prática sexual. Varia de leve a intensa, na região pélvica, abdominal ou lombar. Além do desconforto, este sintoma pode prejudicar a libido e a lubrificação da mulher, afetando mais profundamente sua vida sexual e seu relacionamento, com consequências emocionais complexas.

Dor ou sangramento urinário durante o ciclo menstrual

A endometriose pode afetar a bexiga ou a uretra, causando desconforto também durante a micção. Dores ao urinar muitas vezes são confundidas com infecções urinárias; se aparecerem próximo ao período menstrual, então, podem acabar camuflando uma endometriose. Por isso que, identificado este sintoma, ir ao médico para uma investigação mais profunda é fundamental. 

Dor ou sangramento intestinal durante o ciclo menstrual

Os focos de aderência da endometriose também podem atingir o intestino grosso, o intestino delgado e o reto. Dores abdominais ao evacuar, constipação, diarreia, distensão abdominal e presença de sangue nas fezes, especialmente durante a menstruação, podem ser sintomas da doença. A condição não costuma ser perigosa quando tratada corretamente, o que só é possível quando devidamente diagnosticada; caso contrário, apesar de raro, pode agravar-se a ponto de causar obstrução intestinal.

Dificuldade para engravidar

O endométrio é o revestimento uterino que descama e é eliminado a cada ciclo menstrual, caso a mulher não esteja grávida. Ao crescer fora do útero, caracterizando a endometriose, causa inflamação e alterações consideráveis na anatomia reprodutiva feminina. Mas essa alteração não é a única causa da infertilidade; focos de endometriose produzem substâncias que podem prejudicar as etapas da fecundação, como a qualidade e a quantidade da ovulação, a junção do óvulo ao espermatozoide e a fixação do embrião no útero.

“Nunca é demais reforçar a importância de buscar atendimento e orientação de um ginecologista de confiança nos primeiros indícios. Assim, o quadro de endometriose pode ser investigado e, sendo o caso, receber tratamento o quanto antes. O diagnóstico precoce é o maior aliado da mulher, pois previne que a doença atinja níveis mais graves e afete outras áreas da vida além da fisiológica”, reforça Bellelis.

Compartilhar
Tags

Mais lidas

Recentes

Veja Mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.