terça-feira, 20 fevereiro, 2024
terça-feira, 20 fevereiro, 2024

Tipos de dor: conheça as diferenças e opções para aliviar 

Em

A sensação provocada pela dor é complexa e pode ter diferentes classificações, dependendo da origem, localização ou intensidade. Fisiologicamente, ela percorre um caminho preciso em nosso corpo. A primeira percepção é pelas células receptoras na pele e nos órgãos internos. Em seguida, os nervos transmitem a sensação até a medula espinhal e, por fim, é interpretada como dor pelo tálamo, no cérebro.

Como você pode ver, as dores percorrem um caminho complexo que gera muito desconforto. Mas de acordo com o professor de Yoga  Francisco Kaiut, elas têm um papel importante no nosso corpo, o de sinalizar quando há algo errado e precisa de atenção, “Isso torna a dor uma mensagem importante para o cérebro e, sem ela, não teríamos nossos sinais de alerta de lesões ou doenças”, explica o especialista.

Percepção de dor

Segundo Francisco, durante muito tempo, a ciência considerou apenas os aspectos fisiológicos da dor, mas hoje, sabe- se que essa sensação varia de acordo com fatores culturais, emocionais, idade e até gênero, “É difícil determinar qual dor é mais intensa, pois varia de indivíduo para indivíduo. Alguns tipos em linhas gerais são descritos como os mais desagradáveis, como as dores nas vísceras, cálculos renais, fraturas expostas, meningite e aneurismas”, acrescenta.

Kaiut destaca que entender a natureza da dor é fundamental para tratá-la, então, conheça a seguir alguns tipos de dor:

Dor aguda: é súbita e intensa e dura por um período limitado. Pode estar relacionada a danos nos tecidos, lesões traumáticas ou infecções.

Dor crônica: é persistente e dura por mais de três meses. Pode ser causada por uma variedade de condições, incluindo artrite, fibromialgia e outras doenças crônicas. Pode ter se iniciado como aguda.

Dor neuropática: normalmente a causa são danos nos nervos ou sistema nervoso central. Pode ser uma dor aguda ou crônica.

Dor referida: é sentida em uma parte do corpo que não é a origem ou causa da dor. Por exemplo: a dor que podemos sentir no braço esquerdo durante um infarte do miocárdio. Isso se deve ao fato de as informações sensoriais do coração e do braço convergirem nas mesmas células nervosas da medula espinhal.

Dor inflamatória:
 é causada por um processo inflamatório no corpo, como artrite, lúpus ou doença inflamatória do intestino.

Dor nociceptiva: costuma ter como causa uma lesão nos tecidos do corpo como cortes, fraturas, entre outros. A maioria das dores, sobretudo as agudas, podem ser nociceptivas.

Dor neuropática: a sensação provocada por queimaduras, choque elétrico ou formigamento.


Dor psicogênica: tem diagnóstico difícil porque não é provocada por lesões ou causas visíveis. Normalmente está relacionada a questões emocionais e, normalmente, o paciente não consegue descrever corretamente. Pode gerar enxaqueca, dores no estômago ou contrações.

Dor pós-traumática: pode ter origem após um acidente de carro, lesão esportiva ou evento traumático.

Dor emocional:
 causa uma sensação tão intensa e debilitante quanto a dor física. Pode se originar de desequilíbrios psicológicos que geram tristeza, depressão e outros sintomas.

Ignorar a dor pode resultar em problemas de saúde mais graves, além de causar angústia emocional e prejudicar nossas atividades diárias. Por isso, Francisco Kaiut destaca algumas técnicas que podem ser eficientes para aliviar a sensação. Conheça a seguir 6 recursos que podem ajudar a reduzir a dor:
 
Terapia frio e calor:

Usar compressas quentes ou frias ajudam aliviar a dor em certos tipos de lesões. As quentes suavizam a dor em músculos tensos ou doloridos, aumentando o fluxo sanguíneo e relaxando os tecidos. Elas podem ser úteis para aliviar cólicas menstruais ou artrite. Enquanto as frias, destinam-se a lesões agudas, como entorses, contusões ou inchaço.

Atividade física:

Exercícios de fortalecimento e alongamento podem ajudar a melhorar a flexibilidade e a mobilidade, reduzindo a dor e a rigidez. Procure fazer atividades aeróbicas suaves como caminhar, nadar ou andar de bicicleta.

Meditação guiada

Respire profundamente prestando atenção a cada respiração. Enquanto inspira e expira, imagine-se em um ambiente tranquilo ou ouça uma música suave, “Caso a sua mente comece a divagar – não se preocupe! Apenas procure retornar ao foco e para o local de tranquilidade e paz. Aproveite este momento para se desligar do mundo e se conectar consigo mesmo”, acrescenta Kaiut.

Atenção plena


Encontre uma atividade que lhe traga alegria, como ler, caminhar na natureza, cuidar do jardim ou cozinhar – e mergulhe profundamente nela. “Permita-se experimentar cada detalhe, cada aroma e sabor com uma consciência total. Procure praticar a atenção plena em todos os aspectos da sua vida, não apenas em momentos isolados. Seja ao interagir com amigos e familiares, ao trabalhar em um projeto importante ou simplesmente durante tarefas cotidianas, encontre a alegria e a gratidão em cada momento”, afirma o especialista.

Yoga e Tai chi

O profissional destaca que tanto a yoga quanto o tai chi são alternativas poderosas para cuidar da sua saúde física e mental. As duas envolvem controle da respiração, meditação e movimentos para alongar e fortalecer as articulações. Quando realizados regularmente, contribuem para reduzir o estresse, melhorar a flexibilidade e aumentar a força e resistência física.

Se as dores permanecerem por semanas, procure um médico.

Compartilhar
Tags

Mais lidas

Recentes

Veja Mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.