sexta-feira, 12 abril, 2024
sexta-feira, 12 abril, 2024

Cleo propõe reflexão sobre relações abusivas e amor-próprio em seu primeiro álbum musical

Em

 Cleo lança seu primeio álbum: Dark Pop. “Acostumada a viver no escuro / eu construo muros para me guardar / canto que os males espantam / mesmo que em prantos ninguém pode me parar” são os versos iniciais de “Inferno”, faixa que abre DARK POP e mostra a densidade dos temas abordados no primeiro álbum da carreira musical de Cleo. Em um trabalho envolvente e inovador, o projeto musical da multiartista apresenta uma mulher encarando suas emoções e criando elos com seu público por meio de uma sonoridade intensa e com letras que mostram a sua vulnerabilidade.

Com DARK POP, álbum visual, Cleo propõe uma reflexão sobre relações abusivas, amor-próprio e fala da descoberta de uma força interna que pode nos fazer enxergar outras perspectivas em situações difíceis. “Ser forte é permitir ser vulnerável e este trabalho é muito importante e especial para mim. O DARK POP é a tradução do sentir a dor em todas as suas esferas e fala da importância de acolher as suas vulnerabilidades. Acredito que a arte tem o poder de contribuir para o processo de cura, ela salva e transforma”, ressalta a artista.

Imerso em uma sonoridade pop e mostrando toda a sua versatilidade artística, o álbum tem um toque de rock, trap, fado e disco. No projeto, Cleo procurou reunir referências e sonoridades que gosta de ouvir. Já sobre a temática do trabalho, a cantora destaca: “Gosto de falar de questões e temas que nem sempre são fáceis. O DARK POP propõe refletir sobre os relacionamentos tóxicos e os vários tipos de abusos: físico, psicológico e moral. É importante falar das dinâmicas abusivas que criam traumas. Acredito que todo mundo já passou por relacionamentos tóxicos, sejam amorosos, com familiares ou amigos. É primordial fazer esses questionamentos, identificar quando os relacionamentos não estão bons e procurar orientação”, afirma Cleo.

As três primeiras faixas do projeto, “Inferno”, “Karma” – um feat com a cantora e rapper King -, e “Vício” já estão disponíveis nas plataformas musicais. Ao todo, o projeto terá 10 faixas, além do interlúdio, e conta com as participações especiais de Johnny Hooker, King, Chameleo, Azzy e Karol Conká, as duas últimas artistas dividem os vocais com Cleo na faixa “Tormento”, single já conhecido pelo público. Outra música que também já foi lançada é “Todo Mundo Que Amei Já Me Fez Chorar”.

Mais cinco faixas serão divulgadas na próxima sexta-feira, 29 de setembro. Na semana seguinte, em 06 de outubro, o público conhecerá mais uma canção do álbum e o interlúdio. E, em 13 de outubro, o quarto e último ato do “Darkpop” será lançado. O álbum nasce com a proposta de ser uma experiência para além de suas faixas, traçando uma narrativa não-linear sobre a temática que o circula. Todas as faixas terão clipes, disponibilizados aos poucos no canal de Youtube da Cleo.

Faixa a Faixa – DARK POP Ato 1

Inferno

Com influências do Pop e Hip-Hop, a canção fala sobre o inferno de cada um, que pode estar na própria mente e nos relacionamentos abusivos. A deslegitimação da figura feminina nos mais diversos âmbitos cria esse ambiente infernal e esse costume com a dor e a pressão. Todo esse caos é refletido em um arranjo denso, desconcertante e, ao mesmo tempo, viciante. A música utiliza sample de “Ardendo Assopra”, hit de Tati Quebra Barraco.

Karma

Um som com pegada bem urbana, combinando beat e samples de trap, com guitarras distorcidas, que marcam o apogeu da canção. Esse clima é realçado pela participação especial da cantora King, uma das apostas de rap do momento. Karma é uma resposta aos narcisistas que tentam nos calar, aos ataques e julgamentos, que nos estigmatizam e nos sugam energias de movimento.

Vício

Dando uma voz mais melódica ao projeto, Vício é uma balada pop rock que se conecta bastante com a sonoridade dos anos 2000. Em meio a tanto caos, a canção traz uma conexão sentimental com a esperança de se manter uma relação tóxica. Superar o vício em álcool e drogas é, de acordo com a letra, mais palpável do que superar o ciclo de violências e abusos dentro de um relacionamento.

Cleo lança seu primeio álbum: Dark Pop

Cleo deu o start na música em 2017 com a trilha sonora “Take Me”, feita especialmente para o seu site oficial, e se juntou ao produtor Guto Guerra para gravar composições, entre elas algumas de sua autoria. Ainda em 2017, ela lançou o seu primeiro EP, “Jungle Kid”, que possui cinco faixas – três em inglês e duas em português. Mais tarde, lançou o clipe da faixa homônima do álbum, que tem a direção do film maker Jacques Dequeker e o clipe de ‘Bandida’. O EP foi um grande sucesso nas plataformas digitais, tendo mais de 2 milhões de reproduções, levando Cleo a ser capa da playlist “Pop Brasil”, do Spotify, e atingiu a playlist 50 Virais do Mundo (com a faixa “Bandida”) e 50 Virais do Brasil (com os hits “Jungle Kid” e “Bandida”).

Logo após o lançamento do primeiro EP, Cleo fez uma parceria de sucesso com a cantora Alice Caymmi em um remix da música “Sozinha”. Em 2018, ela lançou o seu segundo EP intitulado “Melhor Que Eu”. No ano seguinte, em 2019, ela fez uma parceria musical com a cantora Pocah com o single “Queima”. No final de 2021, a cantora apresentou ao público o single “Tormento”, parceria musical com Karol Conká e AZZY. Outro trabalho musical da artista foi a produção do álbum “Me Tira da Mira”, trilha sonora do filme homônimo protagonizado por Cleo. Em 2022, a cantora participou da música “bom ator” do Number Teddie e foi convidada do jovem para dividir o palco com ele no Rock in Rio.

Compartilhar
Tags

Mais lidas

Recentes

Veja Mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.