sexta-feira, 12 abril, 2024
sexta-feira, 12 abril, 2024

No Dia Mundial da Água, conheça a iniciativa que visa proteger a nascente do Rio Amazonas

Em

Sabendo da importância da água como um recurso essencial para a vida no planeta, desde a sobrevivência até o desenvolvimento econômico e social, a Fundação Amazônia Sustentável (FAS), junto com o Serviço Nacional de Áreas Naturais Protegidas (SERNANP) do Governo do Peru e com apoio da Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (SDSN Amazônia), se mobilizam para promover a conservação e criar uma área de proteção ambiental no berço do Rio Amazonas, no Nevado  Mismi, localizado na região de Arequipa, no Peru. 

Os esforços para a criação de uma área de proteção tiveram início em janeiro de 2014, quando, em uma expedição, o superintendente geral da FAS, Virgilio Viana, identificou a necessidade da conservação do local e apresentou a proposta ao Ministério do Meio Ambiente do Peru. O documento também foi apresentado durante a Cúpula da Amazônia, em agosto do ano passado, e no final de outubro de 2023,  uma reunião foi realizada em Arequipa para apresentar o projeto de estabelecimento da área de proteção do El Mismi. 

O encontro teve o objetivo de construir uma aliança mais ampla para apoiar a iniciativa e mobilizar os recursos necessários para dar seguimento ao processo de criação da área de proteção, além de verificar recursos para proteger e apoiar o desenvolvimento sustentável das comunidades locais.

“A nossa visão, o nosso sonho, é que esse exemplo que está sendo criado no Mismi, possa servir de inspiração para outros locais da América Latina, outros locais da África, da Ásia, enfim, outros locais onde o derretimento do gelo das montanhas altas possa ser minorado por diversas soluções. Proteger a nascente do Amazonas é muito simbólico, não só porque é o rio mais extenso do mundo, é também um ato de justiça climática”, comenta Virgilio. 

A área em que compreende a nascente do maior rio do mundo tem 28 mil hectares e se encontra ameaçada pelo processo de derretimento das geleiras causado pelas mudanças climáticas. Segundo dados do Instituto Nacional de Investigación en Glaciares y Ecosistemas de Montaña (INAIGEM), o El Mismi corre o risco de desaparecer em 2027. Nos últimos 50 anos, o monte perdeu 99% de suas reservas glaciais, restando apenas 0,19 quilômetros quadrados. 

O derretimento das geleiras tem consequências graves para as comunidades locais, como mudanças no regime hídrico das lagoas naturais e riachos, riscos de avalanches e inundações, e a probabilidade de contaminação por produtos químicos presentes na crosta de gelo e montanhas, ameaçando o ecossistema, os sistemas produtivos e a população.

“Para o Dia Mundial da Água, temos que ter a consciência de que a nascente do rio Amazonas é uma das áreas mais importantes do mundo, um verdadeiro patrimônio natural da humanidade, que precisa ser protegido urgentemente. A região e as comunidades que nela vivem vêm sendo castigadas pelos efeitos das mudanças climáticas, que podem afetar de modo permanente e destrutivo toda uma população e trazer consequências para as outras regiões banhadas pelo rio Amazonas”, conclui Virgilio.

Compartilhar
Tags

Mais lidas

Recentes

Veja Mais

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.